CSS based drop-down menu
 

VEREADOR REALINO

 

E-MAIL: vereador.realino@cmtls.ms.gov.br

TELEFONE: 67 3509-6341

CHEFE DE GABINETE: Sidmar Teixeira Gomes

 

NOME: Antônio Rialino Medeiros de Araújo

NASCIMENTO: 31/01/1966

NATURAL DE: Inocência - MS

MANDATOS: 4º mandato

 
 
Notícia:
 
 
Realino apoia regularização do Cinturão Verde
 


>>27/11/2018

Durante a 40ª sessão ordinária, realizada nesta terça-feira (27), o vereador Realino usou seu tempo no pequeno expediente para falar sobre a situação do Cinturão Verde. “Há uma cobrança rigorosa do Ministério Público sobre a área, por isso, acho que devemos discutir muito sobre o futuro da área e o que será feito com os pequenos produtores. Comprometo-me a, juntos, achar uma solução plausível”, ressaltou.

No grande expediente, apresentou suas indicações, todas para a secretaria de Infraestrutura, Transporte e Trânsito, solicitando: encascalhamento na rua Mato Grosso, no bairro Jardim Carandá; recapeamento do bairro Interlagos; terminar a pavimentação asfáltica na rua Eurides Chagas Cruz, ligando os bairros Interlagos e Alto da Boa Vista, e o trecho da avenida Jary Mercante a avenida Ranulpho Marques Leal.

 

O Cinturão

Duas falas na tribuna ressaltaram a importância de se discutir o futuro do Cinturão Verde. O professor doutor Mauro Henrique Soares da Silva e o advogado Márcio Aurélio de Oliveira apresentaram a situação, explicando aspectos legais e possíveis soluções, como cadastramento dos moradores e criação de conselho gestor da área.

Mauro Henrique apresentou um estudo feito pela UFMS a pedido dos próprios moradores do Cinturão Verde, que notaram nas mídias muita desinformação a respeito da função social da área. De acordo com o decreto que criou o Cinturão, são lotes destinados para pessoas tirarem da terra as condições do seu sustento, também conhecido como “agricultura familiar”.

“Entrevistamos 70% dos moradores, 112 famílias, e notamos o alto potencial produtivo. São cerca de 50 espécies de frutas, destacando-se ainda cana de açúcar, mandioca, batata doce, amendoim e, sobretudo, feijão, que entre 2016 e 2017 produziu 16 toneladas”, ressaltou Mauro.

Em outro momento da pesquisa, um mapeamento e levantamento cartográfico da região mostrou que a maior parte do cinturão está em uma Área de Proteção Ambiental – APA do Jupiá -, a qual deve seguir normas nacionais que regem as APAs.

Márcio Aurélio destacou que a intenção dos moradores do local é pedir ajuda aos vereadores para agilizarem a regularização da área. “Existem moradores que estão ali há 30 anos e hoje são tratados como marginalizados porque houve omissão do poder público em orientá-los. A própria prefeitura os empurrou para a ilegalidade”, defendeu Márcio.

A sugestão dos dois profissionais é promover um fórum permanente e um conselho gestor da área. “Precisamos de uma solução institucional, pois naquela área temos idosos que precisam de acesso à saúde, crianças de acesso à escola, cidadãos de  acesso aos aparelhos públicos”, finalizou o advogado.



 
01/11/2019 10:19
29/10/2019 21:30
29/10/2019 15:00
25/10/2019 13:55
23/10/2019 13:43